Governo pode ampliar vacinação contra Covid para profissionais de serviços essenciais além da saúde

  A previsão é que a vacinação comece em março, abrangendo inicialmente os idosos a partir dos 75 anos–ou 60, desde que residam internamente em asilos ou [...]

Por Gileno Miranda/Águia News em 04/12/2020 às 02:17:47

 

A previsão é que a vacinação comece em março, abrangendo inicialmente os idosos a partir dos 75 anos–ou 60, desde que residam internamente em asilos ou instituições psiquiátricas–, indígenas e profissionais da saúde. Serão vacinados cerca de 13 milhões de brasileiros, ou em torno de 6% da população.

A segunda etapa vai atingir idosos com idade de 60 a 74 anos.

A terceira prevê a imunização de pessoas com doenças (como as cardiovasculares) que elevam o risco de agravamento da Covid-19.

A quarta e última etapa deve abranger professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

Em entrevista online à imprensa, representantes da pasta afirmaram que o plano apresentado mirou inicialmente a situação epidemiológica, levando em consideração os óbitos e o risco de agravamento da doença e também os grupos mais expostos ao vírus.

Caso haja maior disponibilidade de vacinas, esse plano será ampliado para incluir outros grupos, dando preferência para a manutenção dos chamados serviços essenciais.

“A partir do momento que se tem mais vacinas licenciadas, que se tem mais quantitativos disponíveis, há de se pensar, sim, e se planejar a inserção de novos grupos, principalmente no que diz respeito à manutenção dos serviços essenciais do país”, afirmou Francieli Fantinato, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações.

Em março, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou um decreto no qual especificou quais seriam os serviços essenciais, que estariam autorizados a atuar no início da pandemia do novo coronavírus, quando houve medidas mais rigorosas de distanciamento social.

Estavam previstas inicialmente 52 áreas de atuação, como saúde, serviços de atendimento à população vulnerável, inspeção de alimentos, fiscalização ambiental, controle aéreo, produção de petróleo, serviços de telemarketing.
O presidente causou controvérsia ao incluir posteriormente academias de ginástica e salões de beleza.

Em relação à não inclusão de crianças, o ministério afirmou que esse grupo não é considerado de risco. A pasta também afirmou que não há estudos que comprovem a eficácia de vacinas em crianças.

“Nenhum país do mundo tem estudos que mostrem a utilização de vacinação na faixa etária pediátrica. Até onde eu saiba, a gente não viu nenhum trabalho que mostre ou nenhuma desenvolvedora que tenha colocado [vacina] na fase 3 nessa faixa etária. Nós não temos dados em relação a essa questão”, disse o secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo Medeiros.

Medeiros também foi questionado a respeito da possibilidade de autorizações para uso emergencial de uma vacina contra a Covid-19 –conforme anunciado ontem pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Mais especificamente, ele foi indagado sobre se estados brasileiros poderiam iniciar a vacinação, à parte do governo federal. Nesta quinta, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) disse que a imunização no estado começaria em janeiro.

Medeiros não respondeu claramente, mas indicou que a vacinação emergencial ficaria a cargo do Programa Nacional de Imunização.

“Havendo uma autorização emergencial pela Anvisa, se for incorporada [uma vacina] ao programa nacional de imunização, a estratégia será do Programa Nacional de Imunização”, afirmou.

O secretário de Vigilância em Saúde também afirmou que a pasta está investindo nas redes de frio para armazenamento de vacinas e que pode ainda melhorar sua estrutura para receber vacinas que necessitem de condições especiais, como a da Pfizer, que precisa ser armazenada a -70ºC.

Na quarta-feira, o Reino Unido se tornou o primeiro país ocidental a aprovar uma vacina em regime emergencial, justamente a produzida pela empresa americana. O país deve disponibilizar 800 mil doses da vacina a partir da próxima semana para a sua população.

“O Ministério hoje tem um quantitativo extremamente importante de salas de vacinação, 38 mil salas de vacinação espalhadas pelo país, mais 52 Cries [centros de referência de imunobiológicos especiais]. Então, na verdade, temos uma capilaridade muito grande”, disse.

“A Secretaria e o Ministério da Saúde investiram R$42 milhões na aquisição de novas câmaras refrigeradas para toda a rede de frio espalhadas pelo país inteiro. Estamos, sim, avaliando a disponibilidade [de uma rede de frio para atender vacinas específicas] e investindo cada vez mais na capacidade de estocagem e armazenamento do nosso país”, disse.

Medeiros também comentou o aumento no número de novos casos de infecção pelo novo coronavírus nas últimas semanas. O secretário falou que não se trata de uma “segunda onda” da pandemia e atribuiu essa elevação dos números ao “relaxamento” das recomendações das autoridades de saúde por parte da população.

“Estamos analisando essa questão, mas a gente verifica que, talvez, nas últimas semanas, houve um relaxamento das recomendações que sempre fizemos aqui: higienização, uso continuado da máscara, evitar aglomeração, distanciamento mínimo entre as pessoas, de no mínimo um metro com máscara, um pouco mais sem máscara, etiqueta respiratória, a higienização das superfícies”, disse.

“É fundamental para que a gente possa diminuir a transmissibilidade da doença, enquanto não tivermos efetivamente uma vacina de eficácia e segurança comprovada, ou nenhum retroviral que tenha se mostrado seguro e eficaz, com relação ao vírus, que nós mantenhamos as recomendações da chamada etiqueta respiratória”, completou.

Fonte: Banda B

Comunicar erro