Festival de Veneza: Documentário sobre prisão de Caetano Veloso na ditadura é selecionado

O documentário "Narciso em Férias", sobre a prisão de Caetano Veloso em 1968, durante a ditadura militar, foi selecionado para o 77º Festival de Veneza, para a [...]

Por Da Redação Águia News em 28/07/2020 às 14:40:31

O documentário "Narciso em Férias", sobre a prisão de Caetano Veloso em 1968, durante a ditadura militar, foi selecionado para o 77º Festival de Veneza, para a seção oficial Out of Competition. Escrito e dirigido por Renato Terra, de "Uma Noite em 67", e Ricardo Calil, de "Cine Marrocos", o filme é uma realização da Uns Produções, produzido por Paula Lavigne e coproduzido pela VideoFilmes, de Walter Salles e João Moreira Salles. O Festival de Veneza, o primeiro a ser realizado depois da pandemia do novo coronavírus, mas com uma programação reduzida, será entre os dias 2 e 12 de setembro.

Em "Narciso em Férias" (Narcissus off Duty), o músico e compositor Caetano Veloso relembra sua prisão, quando ele e Gilberto Gil foram retirados de suas casas em São Paulo por agentes à paisana no dia 27 de dezembro de 1968, 14 dias depois de decretado o AI-5.

Sem receber explicações do regime de exceção, foram levados ao Rio de Janeiro, deixados em duas solitárias por uma semana e depois transferidos para celas. A censura prévia impediu os jornais de divulgarem suas prisões. Depois de 50 anos, ele relata o período mais duro de sua vida e reflete sobre os 54 dias que passou encarcerado.

Leia também

'Tenet' ganha nova data de estreia para setembro no Brasil

Regina Duarte terá lugar de destaque na Cinemateca, diz Mario Frias

Atriz Olivia de Havilland, de 'E O Vento Levou', morre aos 104 anos

O título do documentário aparece também no livro "Verdade Tropical", no capítulo em que ele narra esse episódio e conta dos quase dois meses em que ficou sem se olhar no espelho, e foi emprestado do romance "Este Lado do Paraíso", de F. Scott Fitzgerald.

Ao falar sobre sua experiência na prisão, Caetano diz: "eu me lembro muito de uma frase que o Rogério Duarte me disse logo que eu fui solto: "Quando a gente é preso, é preso para sempre". Acho que é assim mesmo". Ele conta ainda que passou dias comendo no chão e que passou a pensar que a vida era só aquilo, que o que teve antes nunca mais voltaria.

*Com Estadão Conteúdo

Fonte: JP

Comentários