Taxa de transmissão em Curitiba volta a subir e secretária teme volta para a bandeira laranja

Vídeos e fotos do último final de semana em Curitiba viralizaram nas redes sociais, mostrando o grande número de pessoas no Largo da Ordem, na Rua Itupava, [...]

Por Gileno Miranda/Águia News em 02/09/2020 às 11:49:54

Vídeos e fotos do último final de semana em Curitiba viralizaram nas redes sociais, mostrando o grande número de pessoas no Largo da Ordem, na Rua Itupava, no Shopping Hauer e em parques da capital. A Banda B inclusive divulgou que, de acordo com o Portal InLoco, a última sexta-feira (28) teve um dos menores índices de isolamento social no Paraná desde o início da pandemia, com 35,1%. No sábado, o índice saltou para 38,1%.

A secretária Márcia Huçulak ainda afirmou que, por conta do intenso movimento em Curitiba neste último fim de semana, houve grande procura pelas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), sendo um amento de 40%. "Nesta terça-feira, já sentimos o aumento de pessoas procurando o serviço de saúde. Temos um painel dos quadros respiratórios e hoje foi assustador vê-lo", disse. E destacou que a bandeira amarela não quer dizer que "a vida está normal e está tudo liberado".

Curitiba voltou à bandeira amarela há pouco mais de duas semanas, conforme havia anunciado o prefeito Rafael Greca durante uma prece na Capela Nossa Senhora da Glória no dia 15 de agosto.

Em 14 de agosto, quando houve uma redução na taxa de ocupação de leitos em hospitais e menor transmissão da Covid-19 na capital paranaense, Huçulak divulgou que a taxa de replicação, o chamado R, estava em 0,88. Ela considerou uma boa notícia: "Pela primeira vez em muito tempo houve essa redução, uma vez que conseguimos baixar a taxa de replicação e isso reflete nos números de casos divulgados durante a semana".

O R determina o potencial de propagação de um vírus dentro de determinadas condições. Cientistas apontam que, se ele é superior a 1, cada paciente transmite a doença para pelo menos mais uma pessoa, e o vírus se dissemina. Já quando é menor que 1, há uma tendência de redução na transmissão.

No entanto, com o intenso movimento nos últimos dias, essa taxa de replicação subiu para 1,14, o que Márcia considera como um sinal ruim. "Infelizmente é o resultado das escolhas que fazemos, e elas têm consequências. Porém, todos arcam com ela neste caso", afirmou. E concluiu: "Vou rezar para São Pedro e Nossa Senhora para que faça frio no próximo feriado e ninguém saia de casa".

O total de casos ativos na cidade é de 4.210. Esse é o número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Casos

Segundo divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde nesta terça-feira (1º), Curitiba registrou mais 396 casos de Covid-19 e 13 novas mortes. Agora, o total de óbitos chega a 1.010.

As vítimas são nove homens e quatro mulheres, com idades entre 21 e 82, sendo quatro com idade inferior a 60 anos. Apenas um não tinha nenhum tipo de comorbidade como fator de risco para as complicações da doença.

Com os casos confirmados desta terça-feira, 33.368 moradores da cidade testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia – 28.148 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

UTIs do SUS

Nesta terça-feira, a taxa de ocupação dos 355 leitos de UTI do SUS exclusivos para covid-19 é de 80%. Todos os pacientes que internam com quadro de síndrome respiratória aguda grave vão para os leitos exclusivos covid-19 e não apenas os casos confirmados da doença. Há 71 leitos de UTI do SUS livres em hospitais de Curitiba.

Fonte: Banda B